Imagem ampliada ao microscópio de uma amostra da madeira utilizada para a peanha.Encontrar soluções para os problemas de conservação das obras de arte portuguesas, com base numa análise rigorosa e cuidada, deve ser um dos principais objectivos de uma intervenção adequada e eficaz. Com este objectivo realizou-se a análise de várias amostras do Oratório da Genealogia da Virgem com o objectivo de descriminar entre os materiais e técnicas originais e as intervenções posteriores. Além disso, punha-se a questão se o tratamento da superfície obedecia aos materiais e técnicas usadas na arte indo-portuguesa ou se se tratava de uma obra feita por artesãos portugueses.

Neste contexto, o estudo incidiu sobre a observação da sucessão de camadas de policromia e douragem bem como, na identificação da resina, aglutinante, pigmentos e cargas presentes em várias amostras. Estas vieram corroborar as observações de superfície de que a peça havia sofrido várias modificações a nível da policromia.

As amostras foram analisadas em corte estratigráfico por microscopia óptica; com microespectroscopia de FTIR (Nexus and Continmum-Nicolet) em pastilha de KBr e por compressão na célula de diamante; por microespectroscopia de XRF (ArtTAX) com sonda externa; e com a utilização de corantes fluorescentes.