Cabeceira de sepultura com o relevo de formas geométricas.O pequeno grupo de estelas ou cabeceiras de sepultura, pertencentes ao acervo do Museu de Évora, nunca anteriormente expostos, inserem-se na colecção de escultura que vai pertencer à nova exposição permanente do remodelado Museu. Colocadas durante décadas no espaço exterior na zona de separação entre o edifício do Museu, antigo Paço Arquiepiscopal e a Catedral de Santa Maria de Évora, mantiveram-se ao longo do tempo “perdidas” entre capitéis, tampas de sepultura e elementos de arquitectura. Com a necessidade de remover todo o espólio da aérea do edifício para iniciar o processo de requalificação, foi oferecida uma oportunidade de saírem do anonimato e integrarem “de facto”, o acervo do museu. São em número de dez, apresentando-se sete inteiras com espigão, embora três delas com fracturas, duas apresentam apenas o disco, e a restante um fragmento do disco.