Obra de referência no acervo de escultura medieval do Museu de Évora, pouco se conhece do percurso desta Santíssima Trindade até à sua entrada na colecção. Segundo as notícias da história local, após a extinção das Ordens Religiosas, em 1834 e a conseguinte demolição do Convento de São Domingos de Évora do qual seria proveniente, esta representação de Deus Pai com Cristo e o Espírito Santo terá sido depositada na cerca do Convento dos Remédios na mesma cidade, de onde só anos depois seria recolhida para o Museu de Évora. Datável com segurança do século XIV, a sua cronologia coincide efectivamente com as grandes obras góticas da casa monástica dos frades de São Domingos, sedeados em Évora desde os finais do século XIII (1286).

A representação da Santíssima Trindade através da figuração de Deus Pai sedente, segurando o crucifixo com o filho morto e a pomba do Espírito Santo, inclui-se no tipo das Trindades sedes sapentiae, o mais difundido em Portugal durante toda a Idade Média. Contudo, o alongamento das proporções da composição, a frontalidade e o hieratismo, transmitem ainda a memória visual das imagens de Cristo Pantocrator como eram realizados nos tímpanos dos portais românicos. Na figura de Deus, aparentemente imóvel, a força concentra-se sobretudo no rosto e na postura majestática. A testa é alta e liberta, as faces são longas, os olhos rasgados em amêndoa fixam-se num horizonte vago, separados pelo nariz de cana longa, a barba parte-se no fim do queixo sobre os cachos de ondas sulcadas que se prolongam até o peito. Em contraste com esta imagem de sólida força e poder de Deus Pai, a figura de Cristo apresenta-se em destaque, quase como símbolo do modo novo de entender a composição das figuras que já se anunciava no século XIV. O corpo torsionado surge esculpido na quase totalidade do seu vulto, na posição natural do corpo sacrificado e dobrado na hora da morte.

(MJV)

BIBLIOGRAFIA

Catálogo da Exposição Ai Confini della Terra, Scultura e Arte in Portogallo 1300-1500. Milão: Electa, Milano Elemond Editori Associati, 2000